ambulantis

ccsp, são paulo

projeto expositivo e curatorial

Ambulantis se apropria de imagens comuns do cotidiano, lidando com o gosto particular de uma
classe social. Imagens que fazem parte de imaginários urbanos, pertencentes a cultura de
massa, que vai desde propagandas até o cenário virtual online. a miscelânia de objetos, cores
e narrativas manifesta uma estética trash-pop.
O relato a seguir, de Leda Catunda, uma das artistas selecionadas para a exposição, expõe
claramento a atmosfera da exposiçao, com a intenção depotencializar o sentimento de
pertencimento.
“Um garoto com “penteado de Neymar” chega na Galeria do Rock em São Paulo com o dinheiro
contado em notas esticadas na sua mão e pede por uma camiseta da “Vans”. O ritual se completa
quando ele a veste e, agora com uma das marcas mais populares no universo do skate estampada
em seu peito, passa da loja para os corredores da galeria transformado na sua expressão.
Seguro, agora faz parte plenamente do cenário a sua volta, identificado, como quem está com
a roupa certa no lugar certo...”

Ambulantis é uma exposição intinerante-interativa, que vagueia pelo espaço, conduzida pelo
visitante. As obras são distribuidas em um carrinho de camelo [a origem da palavra camelô
árabe khamlat , nome que se dava aos tecidos rústicos comercializados em feiras livres e
apregoados aos berros pelos vendedores, os camelôs de séculos atrás. Foi quando se popularizou,
na França, o verbo cameloter, vender quinquilharias, coisas de pouco valor, na palavra
eloqüente e vibrante do camelô, aquele que escolhe lugar movimentado em via pública:
de preferência, com intenso passa-passa: para anunciar suas mercadorias. É o vendedor
ambulante que apregoa bungigangas a platéias bestificadas.] Esse carrinho, percorre todo
o centro cultural são paulo, e pode se estabelecer em alguns pontos porporciaonando a
permanência para o público assistir aos filmes, ou até mesmo, ouvir um som